Segunda-feira, Novembro 28, 2022
Biografia

Jesus Cristo: Quem foi? Biografia (Vida e Obra)

Jesus Cristo: Quem foi? Biografia (Vida e Obra)
Jesus Cristo: Quem foi? Biografia (Vida e Obra)

Jesus, filho do carpinteiro José e de Maria, nasceu nos arredores da Palestina, provavelmente no ano 6 a.C., no governo do imperador Augusto, quando Roma dominava a Palestina. A diferença entre o nascimento “real” de Jesus e o “ano zero” do calendário cristão se deve a um erro de cálculo, quando a Igreja através do monge Dionísio Exíguo, resolveu reformular o calendário, no século VI. A data do nascimento de Jesus é uma incógnita, 25 de Dezembro era a data em que os romanos celebravam sua festa de solstício de inverno, a noite mais longa do ano.

Os cristãos acreditam que Jesus nasceu através da Imaculada Conceição. Sua linhagem pode ser rastreada até a casa de Davi. De acordo com o Evangelho de Mateus (2: 1), Jesus nasceu durante o reinado de Herodes, o Grande, que ao ouvir seu nascimento sentiu-se ameaçado e tentou matar Jesus ordenando que todos os filhos de Belém com menos de dois anos fossem mortos. Mas José foi avisado por um anjo e levou Maria e o menino para o Egipto até a morte de Herodes, quando trouxe a família de volta e se estabeleceu na cidade de Nazaré, na Galileia.

Há muito pouco escrito sobre o início da vida de Jesus. O Evangelho de Lucas (2: 41-52) relata que um menino de 12 anos de idade havia acompanhado seus pais em uma peregrinação a Jerusalém e se separado. Ele foi encontrado vários dias depois em um templo, discutindo assuntos com alguns dos anciãos de Jerusalém. Ao longo do Novo Testamento, há referências de Jesus trabalhando como carpinteiro enquanto jovem adulto. Acredita-se que ele começou seu ministério aos 30 anos, quando foi baptizado por João Batista, que, ao ver Jesus, o declarou o Filho de Deus.

Após o baptismo, Jesus foi ao deserto da Judeia para jejuar e meditar por 40 dias e noites. A Tentação de Cristo é narrada nos Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas (conhecidos como os Evangelhos Sinópticos). O Diabo apareceu e tentou Jesus três vezes, uma vez para transformar pedra em pão, uma vez para se lançar de uma montanha onde os anjos o salvariam, e uma vez para oferecer-lhe todos os reinos do mundo. Todas as três vezes, Jesus rejeitou a tentação do diabo e o mandou embora.

1 O ministério de Jesus
2 A última Ceia
3 A crucificação
4 Ressuscitado dos mortos
O ministério de Jesus
Jesus retornou à Galileia e fez viagens a aldeias vizinhas. Durante esse tempo, várias pessoas se tornaram seus discípulos. Uma delas foi Maria Madalena, mencionada pela primeira vez no Evangelho de Lucas (16: 9) e depois nos quatro evangelhos da crucificação.

De acordo com o Evangelho de João (2: 1-11), quando Jesus estava começando seu ministério, ele e seus discípulos viajaram com sua mãe, Maria, para um casamento em Caná, na Galileia. O anfitrião do casamento tinha acabado de vinho e a mãe de Jesus veio a ele por ajuda. A princípio, Jesus se recusou a intervir, mas depois cedeu e pediu a um servo que lhe trouxesse grandes jarros cheios de água. Ele transformou a água em um vinho de qualidade superior ao servido durante o casamento. O evangelho de João descreve o evento como o primeiro sinal da glória de Jesus e a crença de seus discípulos nele.

Depois do casamento, Jesus, sua mãe Maria e seus discípulos viajaram para Jerusalém para a Páscoa. No templo, eles viram cambistas e mercadores vendendo mercadorias. Em uma exibição rara de raiva, Jesus derrubou as mesas e, com um chicote feito de cordas, expulsou-os, declarando que a casa de seu pai não é uma casa para os mercadores.

Os evangelhos sinópticos narram Jesus enquanto ele viajava pela Judeia e pela Galileia, usando parábolas e milagres para explicar como as profecias estavam sendo cumpridas e que o reino de Deus estava próximo. Quando a notícia se espalhou do ensinamento de Jesus e curando os doentes e doentes, mais pessoas começaram a segui-lo. Em um ponto, Jesus chegou a uma área nivelada e foi acompanhado por um grande número de pessoas. Lá, no Sermão da Montanha, ele apresentou vários discursos, conhecidos como as Bem-Aventuranças, que encapsulam muitos dos ensinamentos espirituais de amor, humildade e compaixão.

Como Jesus continuou pregando sobre o reino de Deus, as multidões cresceram e começaram a proclamá-lo como o filho de Davi e como o Messias. Os fariseus ouviram isso e desafiaram publicamente Jesus, acusando-o de ter o poder de Satanás. Ele defendeu suas acções com uma parábola, depois questionou sua lógica e disse-lhes que tal pensamento negava o poder de Deus, o que apenas reforçava sua determinação de trabalhar contra ele.

Perto da cidade de Cessaria de Filipe, Jesus conversou com seus discípulos. De acordo com os evangelhos de Mateus (16:13), Marcos (8:27) e Lucas (9:18), ele perguntou: “Quem você diz que eu sou?” A pergunta os confundiu, e somente Pedro respondeu, dizendo: “Você é o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Jesus abençoou Pedro, aceitando os títulos de “Cristo” e o “Filho de Deus”, e declarou que o anúncio era uma revelação divina de Deus. Jesus então proclamou Pedro como o líder da igreja. Jesus então avisou seus discípulos da conspiração dos fariseus contra ele e de seu destino de sofrer e ser morto, apenas para ressuscitar dos mortos no terceiro dia.

Menos de uma semana depois, Jesus levou três de seus discípulos para uma alta montanha, onde podiam orar sozinhos. De acordo com os Evangelhos Sinópticos, o rosto de Jesus começou a brilhar como o sol e todo o seu corpo brilhou com uma luz branca. Então, os profetas Elias e Moisés apareceram e Jesus conversou com eles. Uma nuvem brilhante surgiu ao redor deles, e uma voz disse: “Este é o meu amado Filho, com quem eu estou bem satisfeito; escutai-o”. Este evento, conhecido como a Transfiguração, é um momento crucial na teologia cristã. Apoia a identidade de Jesus como o Cristo, o Filho do Deus vivo.

Jesus chegou a Jerusalém, na semana anterior ao feriado da Páscoa, montado num jumento. Um grande número de pessoas pegou ramos de palmeiras e cumprimentou-o na entrada da cidade. Eles o louvaram como o Filho de Davi e como o Filho de Deus. Os sacerdotes e fariseus, temerosos da crescente adulação pública, sentiram que ele deveria ser detido.

Todos os quatro evangelhos descrevem a última semana de Jesus em Jerusalém. Durante esse tempo, Jesus ressuscitou Lázaro dos mortos, confrontou cambistas e mercadores no templo e debateu com os sumos-sacerdotes que questionavam a autoridade de Jesus. Ele disse a seus discípulos sobre os próximos dias e que o templo de Jerusalém seria destruído. Enquanto isso, os principais sacerdotes e anciãos se reuniram com o sumo-sacerdote Caifás e puseram em marcha planos para prender Jesus. Um dos discípulos, Judas, reuniu-se com os principais sacerdotes e contou-lhes como ele entregaria Jesus a eles. Eles concordaram em pagar-lhe 30 moedas de prata.

A última Ceia
Jesus e seus 12 discípulos se reuniram para a refeição da Páscoa, e ele lhes deu suas últimas palavras de fé. Ele também predisse sua traição por um dos discípulos e, em particular, avisou a Judas que era ele. Jesus disse a Pedro que antes que um galo cantasse na manhã seguinte, ele teria negado conhecer Jesus três vezes. No final da refeição, Jesus instituiu a Eucaristia, que na religião cristã, significa a aliança entre Deus e os seres humanos.

Depois da Última Ceia, Jesus e seus discípulos foram ao Jardim do Getsémani para orar. Jesus perguntou a Deus se este cálice (seu sofrimento e morte) poderia passar por ele. Ele implorou a um grupo de discípulos que orassem com ele, mas eles continuaram adormecendo. Então chegou a hora. Soldados e oficiais apareceram e Judas estava com eles. Ele deu um beijo na bochecha de Jesus para identificá-lo e os soldados prenderam Jesus. Um discípulo tentou resistir à prisão, brandiu a espada e cortou a orelha de um dos soldados. Mas Jesus admoestou-o e curou a ferida do soldado.

Depois de sua prisão, muitos dos discípulos se esconderam. Jesus foi levado ao sumo-sacerdote e interrogado. Ele foi atingido e cuspido por não responder. Enquanto isso, Pedro seguiu Jesus até a corte dos sumos-sacerdotes. Enquanto ele se escondia nas sombras, três empregados da casa perguntaram se ele era um dos discípulos de Jesus e cada vez ele negava. Depois de cada negação, um galo cantou. Então Jesus foi levado para fora da casa e olhou directamente para Pedro. Pedro se lembrou de como Jesus lhe dissera que ele iria negá-lo e ele chorou amargamente. Judas, que estava assistindo à distância, ficou perturbado com sua traição a Jesus e tentou devolver as 30 moedas de prata. Os padres disseram-lhe que a culpa era dele. Ele jogou as moedas no templo e depois se enforcou.

A crucificação
No dia seguinte, Jesus foi levado ao alto tribunal, onde foi ridicularizado, espancado e condenado por alegar ser o Filho de Deus. Ele foi levado perante Pôncio Pilatos, o governador romano da Judeia. Os sacerdotes acusaram Jesus de reivindicar ser o rei dos judeus e pediram que ele fosse condenado à morte. A princípio, Pilatos tentou passar Jesus para o rei Herodes, mas ele foi trazido de volta e Pilatos disse aos sacerdotes judeus que não encontrava falhas em Jesus. Os sacerdotes lembraram-lhe que qualquer um que alegasse ser rei fala contra César. Pilatos publicamente lavou as mãos de responsabilidade, mas ordenou a crucificação em resposta às exigências da multidão. Os soldados romanos chicotearam e espancaram Jesus, colocaram uma coroa de espinhos na cabeça e depois o levaram para o Monte Calvário.

Jesus foi crucificado com dois ladrões, um à sua esquerda e outro à sua direita. Acima de sua cabeça estava a acusação contra ele, “rei dos judeus”. Aos seus pés estavam sua mãe, Maria e Maria Madalena. Os Evangelhos descrevem vários eventos que ocorreram durante as últimas três horas de sua vida, incluindo os insultos dos soldados e da multidão, a agonia e as explosões de Jesus e suas últimas palavras. Enquanto Jesus estava na cruz, o céu escureceu e, imediatamente após a sua morte, um terramoto irrompeu, rasgando a cortina do templo de alto a baixo. Um soldado confirmou sua morte colocando uma lança em seu lado, que produzia apenas água. Ele foi retirado da cruz e enterrado em um túmulo próximo.

Ressuscitado dos mortos
Três dias depois de sua morte, o túmulo de Jesus foi encontrado vazio. Ele havia ressuscitado dos mortos e apareceu primeiro a Maria Madalena e depois a sua mãe Maria. Ambos informaram aos discípulos, que estavam escondidos, e mais tarde, Jesus apareceu para eles e lhes disse para não terem medo. Durante esse breve período, ele implorou a seus discípulos que fossem ao mundo e pregassem o evangelho a toda a humanidade. Após 40 dias, Jesus levou seus discípulos ao Monte das Oliveiras, a leste de Jerusalém. Jesus falou suas palavras finais para eles, dizendo que eles receberiam o poder do Espírito Santo, antes que ele fosse levado para cima em uma nuvem e subisse ao céu.

Leave a Response