Segunda-feira, Novembro 28, 2022
Biografia

Vida e Obra de Lina Magaia

Vida e Obra de Lina Magaia
Vida e Obra de Lina Magaia

Lina Júlia Francisco Magaia (1940 – 27 de Junho de 2011) foi uma escritora moçambicana, jornalista e veterana da guerra pela independência de Moçambique. Ela foi uma mulher de muitas facetas, que se destacaram ao longo da vida em áreas como a escrita, o cinema, o desenvolvimento rural, ou mesmo como um soldado da libertação do país do domínio colonial.

Biografia
Lina Magaia nasceu em Maputo em 1940. Ainda na escola juntou-se à Frente de Libertação de Moçambique e esteve três meses presa por actividades políticas. Foi uma das primeiras mulheres moçambicanas a receber uma bolsa para estudar no estrangeiro, obtendo o grau de BSc pela Universidade de Lisboa; posteriormente foi para a Tanzânia para treino militar e em 1975 tornou-se membro do exército de libertação da FRELIMO.

Em 1980 esteve envolvida no projecto “Zonas Verdes” da Organização das Mulheres Moçambicanas que visava o abastecimento de alimentos nas zonas urbanas, e dois anos depois foi para a Manhiça, na Província de Maputo, onde se tornou vice-directora para a fazenda açucareira do estado de Maragra. Em 1986, ela se tornou diretora de desenvolvimento agrícola do Distrito da Manhiça , mas seu trabalho foi atacado pelo movimento de resistência militante RENAMO durante os conflitos internos pós-Independência.

Ela morreu em 27 de Junho de 2011, vítima de doença cardiovascular. Foi descrita pelo Primeiro-Ministro moçambicano como “uma grande lutadora e cidadã muito activa que, nas várias fases da sua vida, deu o melhor de si à nação moçambicana”.

Escrevendo
Os seus livros Dumba Nengue (1987; publicado em inglês como Run For Your Life ) e Duplo massacre em Moçambique (1989; Double Massacre in Mozambique) baseiam-se em relatos de testemunhas oculares de sobreviventes de atrocidades na Guerra Civil Moçambicana e contêm episódios horríveis que ilustram o selvagem natureza da guerra e da força substituta do regime do apartheid, os rebeldes da RENAMO.

Um terceiro livro, Delehta (1994), ambientado durante a guerra, é parte ficção e parte documentário. O trabalho final de Magaia foi Recordações da Vovo Marta(“Memórias da Vovó Marta”), publicado em 2011, e baseado em longas entrevistas com uma das mulheres mais velhas de Moçambique, Marta Mbocota Guebuza, de 99 anos, mãe do antigo Presidente moçambicano Armando Guebuza.

Trabalhos publicados
Dumba Nengue: Historias Trágicas do Banditismo (1987);
Run for Your Life: contos de camponeses de tragédia em Moçambique ; Tradução para o inglês por Michael Wolfers, introdução histórica por Allen Isaacman (Africa World Press, 1988).;
Duplo massacre en Moçambique: Histórias trágicas do banditismo – II (1989);
Doppio massacro: storie tragiche del banditismo in Mozambico (1990);
Delehta: Pulos na vida (1994);
A cobra dos olhos verdes (“A cobra de olhos verdes”, romance; 1997);
Memórias da Vovó Marta (2011).

Leave a Response